sábado, 18 de dezembro de 2010

FELIZ 2011!!!!!!!!!!!!!!!!

Para algumas pessoas, a virada de ano é tempo de analisar a vida no ano anterior e planejar o ano seguinte. Fazer um balanço da vida e dos acontecimentos.
 Para todos, aqueles que fazem esse balanço, e os que não fazem, meu desejo para 2011, 2012, 2013, ... e para todos os anos de nossas vidas:


Hoje deixo um beijo e um abraço especial para meus afilhados, Aline e Dudu, que acabam de chegar de volta ao Brasil, depois de 13 meses e alguns dias de uma emocionante e inspiradora viagem de barco pelas águas do Atlântico. 
Bem vindos de volta!!! Daqui a pouco nos encontramos!


Feliz 2011 a todos!!!

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

life....

Pesquisando algumas coisas na internet achei o texto abaixo.
O texto é do final da série Dawson's Creek (que eu adorava).
É um vídeo que a Jen, antes de morrer, grava para sua filha de 1 ano.
São conselhos para o futuro..... 
                                          bom, acho que ainda servem pra gente...

"Hi, Amy, it's mom.
Well, by the time you see this, I won't be here anymore. And I know how much that sucks, for both of us.
So seeing as how I won't be around to furtherly annoy you, I thought I would give you a little list of the things that I wish for you.
Well, there's the obvious: education, family, friends. And a life that is full of the unexpected.
Be sure to make mistakes... make a lot of them. Because there's no better way to learn and to grow, all right?
I want you to spend a lot of time at the ocean, because the ocean forces you to dream, and I insist that you, my girl, be a dreamer.
God? I never really believed in God. In fact, I spent a lot of time and energy trying to disprove that God exists.
But I hope that you are able to believe in God. Because the thing that I've come to realize, sweetheart, it's that just doesn't matter if God exists or not. The important thing is for you to believe in something, because I promise you that belief will keep you warm at night, and I want you to feel safe, always.
And then there's love. I want you to love to the tips of your fingers. And when you find that love, wherever you find it, whoever you choose, don't run away from it.
But you don't have to chase after it either. Just be patient and it will come to you, I promise... when you least expect it. Like you. Like spending the best year of my life with the sweetest, and the smartest, and the most beautiful baby girl in the world.
You don't be afraid, sweetheart.
And remember: to love is to live.
"

Uma ótima semana!!!

quarta-feira, 3 de novembro de 2010

Saudade...

Saudade...

Quantos tipos de saudade será que conhecemos?
Saudade é sempre saudade ou ela varia?
Pra mim, saudade era: recordações de momentos e/ou pessoas que vinham em minha mente.
Estranho dizer que era, porque de alguma forma saudade ainda tem o mesmo significado, mas descobri que sentir saudade não é sempre a mesma coisa. A saudade de uma mesma coisa é diferente com o momento da nossa vida. Ela é diferente também dependendo do quê se tem saudade.
Há poucas semanas me peguei pensando sobre isso, foi quando me dei conta dos diferentes tipos de saudade que podemos sentir, e que de verdade sentimos. Bom, pelo menos eu sinto assim...
Pensando nos vários tipos de saudade, fiz uma pequena lista do que EU sinto saudade:
  • Saudade dos lugares que visitei e gostei;
  • Saudade de momentos que vivi;
  • Saudade de quando eu era criança e nada mais importava além de brincar;
  • Saudade da pouca responsabilidade que eu tinha na faculdade;
  • Saudade das conferências da Aiesec com seu “work hard, play hard”;
  • Saudade do pique que eu tinha nessas conferências da Aiesec;
  • Saudade dos almoços regados a vinho com Aline;
  • Saudade de não ter compromisso;
  • Saudade de ter muitos amigos sempre por perto;
  • Saudades da praia e do clima que uma cidade de praia tem;
  • Saudade dos amigos que estão longe e há muito tempo não vejo;
  • Saudades da família que também está longe;
  • Saudade dos que foram e não voltam mais.


Sentir saudade é algo habitual, rotineiro na minha vida, e acho que na vida de todos. Quem fica muito tempo sem sentir saudade de algo? Toda vez que paramos e pensamos em algo que já vivemos, é por temos um pouco de saudade daquilo.
Desde que eu voltei para o Brasil, principalmente depois que eu mudei pra São Paulo e voltei a “viver no mundo real”, me dei conta como a saudade de uma mesma coisa, um mesmo momento, pessoa, ocasião, lugar, como essa saudade muda de acordo com o nosso momento da vida.
Hoje sinto mais saudade de coisas que estão perto de mim, do que quando eu estava fora. Porque isso? Não sei responder ao certo, talvez porque a rotina nos faz lembrar mais dos momentos, das pessoas que estão longe. Talvez saber que a distância não é tanta assim faça a saudade aumentar. Talvez seja a falta de diversidade.  Ou ainda outras tantas coisas que eu não pensei.
E dentre todos os tipos de saudade que podemos sentir, independente de qualquer que seja o momento que estamos vivendo, me deparei com um que considero a saudade mais difícil de sentir. A saudade de quem foi e não volta mais.
Sentir saudade do que fomos, do que vivemos, pra mim, é uma boa lembrança, não significa querer voltar no tempo, significa que foi um momento bom na minha vida, que me fez ser quem eu sou hoje. Que me levou as caminhos traçados. E que me fazem querer sempre mais, querer melhor.
Sentir saudade dos lugares que visitei é um estimulo a voltar, e voltar depende mais de mim do que qualquer outra pessoa.
Sentir saudade dos que estão longe me faz querer estar perto, então basta procurar a oportunidade, e acha-la depende de mim.
Mas sentir saudade de quem não podemos mais encontrar é duro, porque em nada depende de mim. Não depende de mim, não depende de você, não depende de situação nenhuma e de mais ninguém. Essa é uma saudade que temos que aprender a lidar com ela, pois nada mudará isso...

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Viver ou Juntar dinheiro?

Muitas pessoas não entendem porque eu larguei tudo e fui viajar pelo mundo.
Algumas não ficam contende com a minha resposta ou não entendem perfeitamente.


Hoje eu recebi um com o texto abaixo:
"Meu nome é Sergio e tenho 61 anos e pertenço a uma geração azarada.
Quando eu era jovem as pessoas me diziam para escutar os mais velhos que eram os mais sábios, agora, me dizem que tenho que escutar os jovens, porque eles são mais inteligentes.
Na semana passada, eu li na revista um artigo no qual jovens executivos davam receitas simples e práticas para qualquer um ficar rico, e eu aprendi muita coisa.
Aprendi, por exemplo, que se eu tivesse simplesmente deixado de ter tomado um cafezinho por dia nos últimos 40 anos, eu teria economizado R$30mil. Se eu tivesse deixado de ter comido uma pizza por mes, eu teria economizado R$12mil, e assim por diante.
Impressionado, peguei um papel e comecei a fazer contas e descobri, para a minha surpresa, que hoje eu poderia estar milionário; bastava eu não ter tomado as caipirinhas que eu tomei, não ter feito muitas das viagens que fiz, não ter comprado algumas das roupas caras que eu comprei e principalmente não ter desperdiçado o meu dinheiro em itens supérfulos e descartáveis.
Ao concluir os cálculos, percebi que hoje eu poderia ter quase R$500mil na conta bancária, é claro que eu não tenho esse dinheiro, mas se tivesse, sabe o que esse dinheiro me permitiria fazer??? Viajar, comprar roupas caras, me esbaldar com itens supérfulos e descartáveis, comer todas as pizzas que eu quisesse e tomar cafezinhos a vontade.
Por isso, acho que me sinto feliz em ser pobre: gastei meu dinheiro com prazer e por prazer.
E recomendo aos jovens e brilhantes executivos que façam a mesma coisa que eu fiz, caso contrário eles chegarao aos 61 anos com um monte de dinheiro, mas sem ter vivido a vida..."
Texto enviado a Max Gehringer - do jornal da CBN Brasil



Então, vamos tomar um cafezinho, comer uma pizza e conhecer um lugar diferente?


Beijos e boa semana!!

sexta-feira, 8 de outubro de 2010

“Where do you live?”

Nessa minha procura por definir o que é estar em casa, se sentir em casa, fui ler um post Bárbara, cidadã do mundo, sobre o assunto.
Achei o post tão perfeito que estou copiando uma parte dele e deixo aqui pra dividir com vocês .


"...e já cheguei à conclusão que, onde quer que eu esteja por mais de 3 dias dormindo na mesma cama, já “moro” aí...
O mais interessante é quando a pergunta é feita em inglês: “Where do you live?” Porque se traduzido, isso fica “Onde tu VIVE?”
E pra essa pergunta posso responder... 
...vivo nas ruas por onde caminho, nas cidades que exploro, nos países que visito...
...vivo nas folhas do outono que estalam sob meus pés, na neve que afunda macia deixando pegada, na areia das praias que pisei...
...vivo nos prédios históricos, nos paralelepidedos das ruas datadas de séculos passados, no badalar dos sinos das igrejas góticas...
...vivo na paisagem que vejo do alto de um morro, nas montanhas vistas da janela do avião...
...vivo no Danubio a correr, no por-do-sol no Tejo, na neve caindo sobre Ljubljana...
...vivo nos trens, nos aeroportos, nas rodoviárias, nas fronteiras, nos carimbos do meu passaporte...
...vivo nos jantares que cozinho para os amigos e na comida de seus países que eles compartilham comigo...
...vivo no chimarrão que tomamos juntos, no chá quente depois de um dia frio...
...vivo nas conversas que tenho com todas essas pessoas que encontro, nas histórias maravilhosas de suas vidas, nos seus planos para o futuro, nas suas opiniões sobre o mundo...
...vivo nas risadas compartilhadas com amigos, nos sorrisos das pessoas que cruzam meu caminho nas ruas, nos abraços de reencontro...
...vivo nas noites badaladas de festa, nos domingos preguiçosos...
...vivo em cada momento, nao importa o país, a cidade... não importa a cama onde durmo, sob qual teto me abrigo ou quem são as pessoas que vêem a minha cara de quem recém acordou... VIVO a minha aventura, as minhas viagens...  ...vivo tudo isso porque estou exatamente onde gostaria de estar em cada momento :)"

Espero que tenham gostado tanto quanto eu.
E é assim que me sinto hoje, é assim que posso definir o que é estar em casa.
Beijos e ótimo feriado!

terça-feira, 5 de outubro de 2010

mais um pouco sobre "estar em casa", "se sentir em casa"

Voltando a falar sobre me sentir em casa e tudo que pode envolver esse tema...

Como disse no último post, eu fui pra Vitória, ou pra casa. E realmente eu fui pra casa. Mesmo não tendo mais quarto, cama e armário. Ou ainda trazendo uma enorme mala com muitas das minhas coisas que ainda estavam lá  (e por sinal, essa cena ainda vai se repetir algumas vezes, eu não imaginava que tinha tanta coisa assim).

Ao desembarcar no aeroporto de Vitória pela primeira vez desde que me mudei pra São Paulo, tive uma sensação parecida com a que eu tive quando voltei da minha viagem. Sensação de chegar a um lugar tão conhecido e comum a mim. Com uma vontade de olhar a minha volta e reconhecer tudo. Mas tive também algumas percepções diferentes. Como sentir a úmidade do ar imediatamente ao desembarcar, o cheiro diferente no ar, o vento característico da praia, e mesmo com dias não tão bonitos e de céu aberto, apreciei o céu de Vitória como eu provavelmente nunca havia apreciado antes.
De todas essas novas impressões ou percepções da cidade, a que mais me marcou, foi sem dúvida o cheiro do ar. E então me lembrei de uma conversa que eu tive há pouco tempo, em um dos meus primeiros dias de chuva em São Paulo.
Estava trabalhando e começou um chuva forte, alguns minutos depois da chuva iniciada me dei conta que estava tentando sentir o cheiro característico que a chuva tem pra mim, mas esse cheiro não aparecia no ar. Virei pro meu gerente e disse: "Aqui a chuva não tem cheiro de chuva." Ele me respondeu que já tinha passado por isso também, mas que em São Paulo não tem terra pra cheirar a chuva. Pensei mais um pouco sobre isso, e quando um outro colega do trabalho chegou na sala perguntei: "Qual o cheiro da chuva pra você?" E tive como resposta que a chuva não tem cheiro... Estranho?? Pra mim foi. E esse fim de semana em Vitória, com novas percepções de cheiros, me fez pensar que lá pode ser sempre minha casa, e que isso não impede de São Paulo também ser minha casa, que também poderá me trazer sensações e recordações.
E então, talvez seja mais fácil definir o que é se sentir em casa, e mais difícil pra quem nunca esteve "fora de casa", entender o que é isso.

Obrigada a todos que continuam me acompanhando aqui.
Obrigada a todos os amigos que lembraram do meu aniversário, especialmente Aline, Dudu e Elisa, que mais uma vez conseguiram encurtar a distância!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Casa...

O que é estar em casa?
O que nos faz sentir em casa?

Tenho pensado muito sobre isso

Durante o tempo que eu estive fora do Brasil, apesar de me sentir bem na maioria dos países que pensei, nenhum deles era realmente a minha terra, a minha casa. E esse foi um dos motivos que me fez não querer morar fora do Brasil.
Na volta para a Brasil, fui mesmo pra casa, voltei pra casa da mamãe, pra mesma cidade que eu morava e morei a maior parte da minha vida, onde as principais coisas da minha vida haiam acontecido. Mas engraçado, de certa não conseguia me sentir em casa.
Depois de algum tempo eu entendi que era o choque de estar de volta, depois de ter passado tanto tempo fora, vendo e vivendo tantas coisas diferentes.
Agora, vivendo numa cidade diferente, e muito diferente de Vitória, me dei conta que não tive problema em me adaptar à vida e nem à rotina nessa cidade tão diferente, com 2 meses morando aqui, estou praticamente me sentindo em casa.

Nesse próximo fim de semana eu vou para Vitória, e disse pra várias pessoas que estava indo pra casa, e então me peguei pensando, mas porque indo pra casa se eu não moro mais lá?
Tudo bem, hoje eu me sinto em casa em Vitória, conheço a cidade muito bem, me viro sem precisar da ajuda de ninguém, conheço um monte de gente, tenho amigos, família e todo uma história de vida por lá. Mas até quando as coisas serão assim?
Será que daqui há 5 anos ainda conhecerei a cidade tão bem assim? Ainda saberei me locomover como se morasse por lá? Ainda terei tantos amigos? Na minha história, o tempo que vivi em Vitória continuará existindo, mas uma nova parte da minha história terá sido escrita, e provavelmente pouco terá a ver com Vitória... será que eu ainda conseguirei falar que vou pra casa? Ou poderei falar isso? Ou ainda, eu vou querer falar isso?

Não sei, e penso em tantas possíveis respostas, que prefiro não arriscar uma. Mas se esse blog ainda existir daqui 5 anos, eu volto pra dar a resposta.
E pensando no assunto, fui procurar no Google o que dizem sobre o assunto, e aqui algumas das  considerações que mais gostei:
* "Home is where the heart' is what they say";
* "Estar em Casa é um estado de espírito, é uma forma de resolveres todos os desafios e tudo o que surge para ser tratado no quotidiano";
* "Home is not where you live, but where they understand you";

E pra você, o que é estar em casa?

domingo, 5 de setembro de 2010

Minha nova aventura

Cada vez que eu paro para pensar na minha vida, eu vejo as mudanças que me ocorreram e vem ocorrendo.


Hoje, estou vivendo uma nova "aventura".


Depois de me readaptar a estar de volta ao Brasil e a viver uma vida mais real, foi a hora de procurar emprego e voltar realmente a viver no "mudo real".


E aqui estou eu, na minha nova aventura. 
Aventura porque?
Porque estou trabalhando em uma empresa de comunicação visual, algo totalmente novo pra mim e que tem muito mais ligação com engenharia do que eu algum dia pude imaginar.
Porque estou morando em São Paulo, uma cidade muito diferente de Vitória, em tudo. 
E porque agora eu tenho que me readaptar novamente.


Ok, confesso que me adaptar a morar em São Paulo não está sendo tão difícil. Mas existem coisas que fazem falta, e existem situações que me fazem questionar.
O que faz falta:
* Ter os amigos sempre por perto;
* Saber que a praia está logo ali, mesmo que eu não vá muito;
* Olhar pro céu e ver o céu azul de verdade;
* Conseguir me localizar, ter sentido de direção na cidade;
* Do clima agradável que não ataca a minha alergia.


Alguns dos questionamentos:
* Porque é difícil fazer amigos no trabalho? E não é só aqui, analisando, vi que geralmente as pessoas do seu trabalho são colegas de trabalho. Antes isso não incomodava porque eu tinha muitos amigos fora do trabalho...
* Porque as pessoas tem tanto medo de sair da sua zona de conforto?
* Porque o ser humano se espanta tanto com o diferente?


Se alguém aí se pergunta se eu penso em desistir e voltar logo pra Vitória, a resposta é não. Estou feliz com a minha escolha. Estou gostando de morar em São Paulo, dos meus novos desafios. Descobrir que eu não tenho tanto problema em sair da minha zona de conforto, e o engraço é que eu só entendi isso quando alguém me falou...

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Um ano depois...

Um ano depois...



Há exatamente um ano eu desembarquei pela primeira vez do outro lado do Atlântico.
Eu tinha uma certeza, aproveitar aquela viagem ao máximo.
Dúvidas e incertezas? Nossa, muitas. Tantas que eu não era e não sou capaz de enumerar.

Hoje, depois de um ano, estou de volta ao Brasil, e tanta coisa mudou na minha vida, muito mais do que poderia ter imaginado há um ano.
Moro em uma cidade diferente, trabalho com algo que até 2 semanas atrás eu não poderia imaginar que tinha ligação com engenharia.
Meus amigos se mostraram especiais.
Reencontrei amigos antigos e não tão antigos assim. Descobri que nem todos os amigos são amigos, e desconhecidos derrepente passaram a fazer parte da minha vida, e assim novos amigos surgiram.
O mundo se tornou muito menor, ou passou a ter um tamanho mais real.
 Arrependimento nesse último ano? Acho que só de não ter salvo boa parte das fotos da viagem em mídia mais segura.

Certeza? Algumas, inclusive que a decisão de viajar foi certa, é uma delas.
Dúvidas? Elas sempre vão existir. Não as mesmas de um ano atrás, hoje, aquelas não existem mais, mas é bom saber que existem novas e diferentes.
Se eu mudei nesse último ano? Com certeza. Me conheço mais, e enxergo as coisas de um jeito diferente. Isso foi o que mais mudou.
E o principal, estou feliz com as minhas escolhas, todas elas.

Agora, uma nova etapa, ou mais uma etapa da minha vida está começando, e descobri que gosto de novos desafios.
Espero poder aproveitar essa minha fase paulista, uma fase mais conciênte e madura, como aproveitei as outras fases da minha vida. E principalmente, espero continuar aproveitando os momentos, todos eles são importantes, mesmo que a gente não entenda.
Todo sorriso, toda lágrima, todo raio de sol e toda gota de chuva tem seu significado.
Cada até logo, cada abraço, cada olhar, cada instante nos dizem algo, nos trazem algo, novo ou velho, mas sempre algo importante. Porque até o mais bobo dos gestos e das ações fazem alguém sorrir, lembrar de algo, ser feliz.


"There won't be butterflies if life doesn't go thru long and silent metamorphoses."


Beijos e obrigada a todos que fizeram e fazem parte da minha vida!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Voltar para casa....

Voltei da viagem já tem mais de 3 meses, e estar de volta não está sendo fácil.
Nos primeiros dias, mesmo com a saudade e tudo o que significava voltar para casa, foi mais difícil ainda.
Muitos amigos haviam me alertado, e com isso tentei me preparar o máximo possível.

Agora, mais readaptada a rotina de ter uma rotina, estou eu a quebrando novamente.
Saí de Vitória e vim passar uma temporada em São Paulo, procurando emprego e fazendo um pouco do que eu fiz durante todo o tempo que estive fora do Brasil, conhecer a cidade, os lugares turísticos, me perder pelas ruas.

Depois eu volto pra dizer como foi essa experiência num lugar que eu tanto conheço. 

Beijos e boa semana a todos!!

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Dúvidas????? Sim, fazem parte da nossa vida!!

Sim, ela existe e está na vida de todo mundo.


Tenho entendido que o tamanho dela depende da gente, mas é difícil controlar a ansiedade e principalmente os pensamentos diversos que passam pela nossa cabeça.

Eu achava, enquanto estava fora, que muitas das minhas dúvidas estavam sendo solucionadas, mas na volta eu descobri que a vida fora é muito mais diferente do que eu conseguia imaginar, e com isso, o que antes parecia ser certeza, voltou a ser dúvida.
Mas uma coisa eu aprendi, tirar dos pensamentos o que não depende de mim e o que não está no presente, porque no futuro tudo pode mudar, mesmo que esse futuro seja daqui 15 dias.


Outra coisa que entendi, é que ter dúvida faz parte da gente, ninguém tem tanta certeza de tudo assim, principalmente porque a gente não conhece as pessoas de verdade, não conhece os lugares de verdade, não conhece tudo o que está envolvido.
E um pouco de aventura, faz muito bem!!!

domingo, 4 de julho de 2010

Fotos de outras viagens

Para os curiosos que me perguntam de outras viagens sozinha que eu fiz, seguem os links com fotos de alguns desses lugares.



Espero que gostem e que se divirtam com as fotos.

Beijos e boa semana para todos!!

quinta-feira, 24 de junho de 2010

Y será este, mundo mejor, porque yo, sin rendirme jamás, busqué, en mi sueño imposible, poder una estrella alcanzar.
 (El Hombre de la Mancha)

sexta-feira, 18 de junho de 2010

Saiu hoje na coluna do Paulo Octávio (Jornal A Tribuna)



Amiga (Yara), obrigada!!!!!!

Homenagem a José Saramago

O escritor português José Saramago morreu hoje em uma ilha da Espanha.


José Saramago ganhou o único Prêmio Nobel da Literatura em língua portuguesa, em 1998. 
Saramago tinha 87 anos e escreveu livros como O Ano da Morte de Ricardo Reis(1984), A Jangada de Pedra (1986), Todos os Nomes (1997), e O Homem Duplicado (2002).
Um de seus mais célebres livros foi o Ensaio sobre a Cegueira (1985), que em 2008 virou filme de grande sucesso.


Em janeiro deste ano Saramago relançou o livro a Jangada da Pedra, e todo a sua renda foi revertida em ajuda às vítimas do terremoto no Haiti.


A morte de Saramago é uma perda para todo o mundo, principalmente para os amantes de literatura.


Blog de José Saramago

segunda-feira, 14 de junho de 2010

ONE GOAL, EDUCATION FOR ALL


A Copa do Mundo de Futebol da África do Sul começou fazendo história, ou melhor, a história começou a ser feita bem antes da Copa do Mundo começar, ela começou a ser escrita de forma diferente quando um país africano foi escolhido pela primeira vez para sediar uma competição internacional de grande porte.


O continente africano vem pedindo que o resto do mundo olhe para ele há muitos anos, todos dizem olhar, mas poucos olham de verdade.
E essa Copa do Mundo está conseguindo que as pessoas comecem realmente a olhar para esse continente, que eu não tive a felicidade de conhecer, ainda, mas está nos meus planos de uma futura viagem!

Durante o show de abertura da Copa do Mundo, fez-se um apelo em nome de uma bela campanha internacional:  "One goal, education for all".

Essa campanha começou em abril, com o intuito que essa Copa do Mundo de Futebol marque um "gol" no continente africano: education for all! Vamos participar também, entre no site da campanha e assine o seu nome, é fácil.

Os jogos da copa já começaram, e brasileiro como é apaixonado por futebol, não perde um jogo, mesmo se for jogo da Argentina.
A nossa seleção entra em campo nessa Copa do Mundo pela primeira vez amanhã, dia 15 de junho, e com certeza o Brasil vai parar para assistir a esse e a todos os jogos do Brasil. 
A minha esperança, é que o Brasil não pare só para assistir aos jogos da Copa do Mundo de Futebol, mas aprenda com o povo africano e que o povo brasileiro tenha mais consciência, e lembre que existe muito mais do que futebol, vuvuzela e gente de outra cor no continente africano. 

Assine seu nome na campanha "One goal, education for all", divulgue essa idéia entre seus amigos, quem sabe isso inspira nossos governantes, afinal de contas, a educação precisa ser para todos, ela é a base de tudo!!

Entrando no clima da Copa do Mundo, fica aqui o clipe da música oficial  Waka Waka (This Time for Africa)

E como já disse Nelson Mandela: "Devemos perdoar, mas nunca esquecer, para que não se repita."

Bom jogo Brasil!!!!!

sexta-feira, 11 de junho de 2010

There won't be butterflies if life doesn't go thru long and silent metamorphoses...
essa é minha...
Aline, obrigada pela companhia, foi ótimo ter você lá comigo!!

quarta-feira, 9 de junho de 2010

Eu apenas queria que você soubesse....

Linda música de Gonzaguinha, diz muito sobre mim, minha vida, meu atual momento.



Eu apenas queria que você soubesse (Gonzaguinha)
Eu apenas queria que você soubesse

Que aquela alegria ainda está comigo
E que a minha ternura não ficou na estrada
Não ficou no tempo presa na poeira

Eu apenas queria que você soubesse
Que esta menina hoje é uma mulher
E que esta mulher é uma menina
Que colheu seu fruto flor do seu carinho

Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta
Que hoje eu me gosto muito mais
Porque me entendo muito mais também

E que a atitude de recomeçar é todo dia toda hora
É se respeitar na sua força e fé
E se olhar bem fundo até o dedão do pé

Eu apenas queria que você soubesse
Que essa criança brinca nesta roda
E não teme o corte de novas feridas
Pois tem a saúde que aprendeu com a vida

Eu apenas queria que você soubesse
Que aquela alegria ainda está comigo
E que a minha ternura não ficou na estrada
Não ficou no tempo presa na poeira

Eu apenas queria que você soubesse
Que esta menina hoje é uma mulher
E que esta mulher é uma menina
Que colheu seu fruto flor do seu carinho

Eu apenas queria dizer a todo mundo que me gosta
Que hoje eu me gosto muito mais
Porque me entendo muito mais também.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O tempo passa....

... e ainda bem que ele passa e a gente cresce, e passamos a enxergar coisas diferentes, sobre diferentes perspectivas.

Karin, eu e Aline, um reencontro mais que agradável!!

quarta-feira, 2 de junho de 2010

segunda-feira, 24 de maio de 2010

Fotos da viagem

Atendendo a pedidos criei um álbum online, ou melhor, 15 álbuns, um para cada país que passei.
São muitas fotos, então sintam-se a vontade para ver só o que lhes interessar :o))
Alguns países tem poucas fotos, foram os países que perdi as fotos durante a viagem....
O link para cada um desses países seguem abaixo, é só escolher o nome do país e clicar nele!


















Boa diversão!
Beijos!!!

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Quebra-cabeças terminado!!!

STARLIGHT OVER THE RHONE
(NOITE ESTRELADA SOBRE O RIO RHONE)


O quadro tem como moradia o museu d'Orsay em Paris, mas em breve será visto na parede da minha casa... 

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Quebra-cabeças...

Ainda tenho fotos de Vitória pra colocar aqui, mas antes quero fazer o último passeio, por uma área da cidade que eu gosto muito, o Parque da Fonte Grande, lugar que tem uma vista linda da cidade e para as cidades vizinhas.
Por hora, vou colocar fotos do que vem tomando meu tempo nos últimos dias.
Minha irmã mais nova, trouxe de sua viagem pela Europa um Quebra-cabeças de 1000 peças de um quadro de Van Gogh. 
Tem sido muito legal montá-lo, e não é nada fácil, mas está valendo a pena!

O primeiro dia...

O quebra-cabeças no terceiro dia...

Ontem a noite, quarto dia montando o quebra-cabeças

Coloco depois uma fotinha dele prontinhos pra vocês!!!
Beijos!!

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Redescobrindo Vitória... Fotos

Fotos de passeios por Vitória, ou melhor, parte dela...
...inclusive passeios em diferentes dias em lugares repetidos.


Praia de Camburi















Mata da Praia


Praia do Canto













quinta-feira, 29 de abril de 2010

Redescobrindo Vitória...

Esses dias me peguei pensando na viagem e em coisas que eu fazia enquanto estava fora do Brasil.
Acabei me dando conta de que algumas coisas que eu fazia enquanto estava fora, eu não faço agora que estou de volta. E conversando com algumas pessoas vi que não sou só eu. 
O que eu mais fazia enquanto estava fora, era sair andando pelas ruas, meio sem rumo, descobrindo ruazinhas, praças, calçadas, museus... enfim, descobrindo cada cidade por qual eu passava ao meu modo, pelos meus próprios olhos.


Então resolvi redescobrir Vitória andando pelas ruas, como eu fazia enquanto estava viajando.
Nesses últimos dias tenho saído, meio sem rumo, sempre com a máquina fotográfica, apreciando as belezas dessa cidade maravilhosa, descobrindo coisas novas e redescobrindo outras esquecidas.


Já percebi que as pessoas sempre me olham, acham que eu sou uma turista nesta cidade que poucos turistas recebe. Mas não tenho me importado com isso!!
Tenho gostado dos meus passeios.


Em breve coloco fotos e conto como tem sido esses passeios.


Beijos e bom fim de semana!!

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Think!!!

"Chorar não resolve, falar pouco é uma virtude, aprender a se colocar em primeiro lugar não é egoísmo e o que não mata com certeza fortalece.
As vezes mudar é preciso, nem tudo vai ser como você quer, a vida continua.
Pra qualquer escolha se segue alguma conseqüência, vontades efêmeras não valem a pena, quem faz uma vez não faz duas necessariamente, mas quem faz dez, com certeza faz onze.
Perdoar é nobre, esquecer é quase impossível. Nem todo mundo é tão legal assim, e de perto ninguém é normal. Quem te merece não te faz chorar, quem gosta cuida, quem não gosta também não precisa odiar, deixa pra lá.
O que está no passado tem motivos para não fazer parte do seu presente, não é preciso perder pra aprender a dar valor e os amigos ainda se contam nos dedos...
Orgulho demais pode fazer você abrir mão de pessoas importantes e no futuro você pode se arrepender disso, então as vezes vale a pena deixar ele de lado...
Aos poucos você percebe o que vale a pena, o que se deve guardar pro resto da vida, e o que nunca deveria ter entrado nela...
É importantíssimo fazer o que deixa feliz e da melhor maneira possível, não importa se seja administrar uma grande empresa ou prender a respiração em baixo d'água.
Não tem como esconder a verdade, nem tem como enterrar o passado, o tempo sempre vai ser o melhor remédio, mas seus resultados nem sempre são imediatos.
Você é aquilo que ninguém vê. Uma colação de histórias, estórias, memórias, dores, delícias, pecados, bondades, tragédias e sucessos, sentimentos e pensamentos. Se definir é se limitar.
Quando encontrar um obstáculo grande na vida, não desanime ao passar, pois com o tempo ele se tornará pequeno. Não porque diminuiu, mas porque você cresceu.
Não fique preocupado, você nunca sabe quem está se apaixonando pelo seu sorriso."

terça-feira, 20 de abril de 2010

Outras viagens...

Muita gente andou me perguntando se essa foi a primeira viagem sozinha que eu fiz.
Essa foi a primeira longa viagem sozinha, mas eu já havia feito outras viagens sozinha antes.


A primeira viagem de verdade que eu fiz sozinha foi em julho de 2008, quando fui passear pela Argentina. Tirei férias e fui conhecer Buenos Aires e o Ushuaia, aproveitei e dei um pulinho em Colônia de Sacramento (Uruguai). A viagem foi maravilhosa, fiquei em albergues e conheci muita gente!
Outra viagem foi em fevereiro de 2009, quando viajei para a Bahia. Fui conhecer a Praia do Forte, Salvador e Morro de São Paulo. Também fiquei em albergues e me diverti muito! 


Em ambas as viagens fiz amigos que não perdi mais o contato.


Com certeza, ter feito essas pequenas viagens me ajudou muito a saber como me virar e como eu iria me sentir numa viagem tão grande assim. Para quem está pensando em se jogar por aí, recomendo antes a fazer umas pequenas viagens sozinho, porque realmente ajuda!


Beijos!